23
mai
2012
SOBRE WORLD CAFÉ

Para ampliar visão sobre o tema consulte :

http://www.ventoseventos.com.br/index.php?worldcafe

 
01
mai
2012
Criando Conversações Produtivas

Todas as nossas conversas, reuniões, workshops tem como objetivo apresentar e compartilhar idéias, trocar informações, refletir sobre as mesmas de forma a gerar resultados, consensos que serão utilizados para alavancar projetos, implantar processos, estabelecer critérios, promover integração e unificar objetivos.

Porém, na prática, o que observamos é que se não estivermos preparados para conduzir conversas e reuniões, utilizando perguntas adequadas ao processamento cerebral natural, entraremos num mar de idéias soltas, discursos cheios de percepções e vivências passadas que não favorecem em nada uma análise objetiva que permita a um grupo construir consensos assertivos e com isso gerar resultados e produtos eficazes.

Há uma tendência natural das pessoas de começarem suas apresentações de idéias e projetos utilizando perguntas: O que vocês acham? Qual é a sua interpretação ou opinião, e quando estas perguntas são feitas, perde-se toda a possibilidade de análise, reflexão, já que achar alguma coisa significa ir buscar no seu sistema de crenças e valores,conceitos estabelecidos e que naturalmente podem criar adesões ou rejeições, em função das experiências vividas, da imagem que criamos do tema, do apresentador, setor ou empresa e que fazem parte do seu mapa Mental, responsável pela criação de seus comportamentos.

Como consequência destas perguntas interpretativas, obtemos como resultado perda de tempo, foco e acabamos entrando nas estatísticas das reuniões improdutivas.

A chave para alcance de resultados produtivos com uso de tempo adequado,está na maestria em conduzir perguntas, que possam levar as pessoas: a pensarem objetivamente sobre os dados apresentados, refletirem sobre a essência das informações, fazerem links com conceitos internalizados, reverem suas experiências , questionarem suas crenças e com isso estarem abertas a emitir opiniões e tomar decisões em cima de uma nova percepção ampliada.

As ferramentas que compõem o programa TOp- Tecnologia de participação nos ajudam a compreender como o processo de criação dos comportamentos e comunicação acontecem e como podemos utilizar num curto espaço de tempo um critério de perguntas que nos permitam alcançar os resultados esperados quer sejam nas reuniões informativas, nos workshops e em planos estratégicos. Afinal, tanto as reuniões, workshops e Planos estratégicos, nada mais são do que conversações organizadas e registradas que descrevem as ações que nos levarão ao alcance dos objetivos.

Dulce Gabiate é Diretora e Consultora organizacional na Gabiate consultoria, administradora e psicóloga, trainer em TOP- Tecnologia de participação, Master e trainer em Programação Neurolinguística, Coach executivo e vida. …continue lendo.